PUBLICIDADE

Topo

Fernando Guerreiro

Corrente do bem: ajude pessoas com atos simples e aumente sua felicidade

Fernando Guerreiro

19/09/2020 04h00

Crédito: iStock

Quando você imaginaria que a famosa corrente do bem tem uma base científica para comprovar a sua importância?

Alguns acabam se cansando de tentar ajudar outras pessoas porque focam em grandes favores, coisas que demandam tempo, energia, o que traz muito desgaste, e cada vez mais a generosidade está escassa.

Mas um estudo realizado por pesquisadores de Stanford em uma fábrica de refrigerantes em Madri pode mudar seu pensamento.

Na pesquisa, os funcionários foram divididos aleatoriamente em três grupos. O grupo 1 deveria ajudar voluntariamente apenas os funcionários que eram grupo do grupo 2. E o Grupo 3 seguiria vida normal sem nenhuma ajuda.

O estudo estava pautado em atos de bondade no do dia a dia, como segurar a porta do elevador –ou, se o elevador estivesse lotado, as pessoas do grupo 1 deveriam sair para dar lugar a pessoas do grupo 2 que estavam esperando. As pessoas do grupo 1 também tinham que servir um café no meio da tarde, oferecer água no meio do dia e, de surpresa, fazer outros atos de bondade para o grupo 2.

O intuito do estudo era descobrir se as pessoas que recebiam ajuda se interessavam em ajudar voluntariamente outras pessoas no dia a dia.

O resultado espantosamente mostrou que o grupo 2, que foi ajudado por algumas semanas, passou a ajudar 278% a mais pessoas em seu dia a dia do que o grupo 3, que não recebeu ajuda.

E você deve estar pensando que esse aumento foi gerado porque a nossa intuição sobre ajuda é ajudar quem nos ajudou primeiro, como que se devêssemos um favor. Mas a descoberta dos cientistas foi que o grupo 2 começou a ajudar outras pessoas que não faziam parte do grupo 1. Ou seja, não estavam apenas retribuindo os favores, mas fazendo gentilezas para outras pessoas que não tinha nada a ver com a ajuda que haviam recebido antes. Elas "pagaram" o favor para a frente, não para trás.

Isso mostra que as nossas atitudes definem os ambientes em que vivemos, as pessoas copiam umas as outras.

E, indo mais a fundo, os cientistas queriam descobriam o nível de felicidade dos funcionários, de todos os três grupos. E adivinhem quem mais ficou feliz no final do experimento?

Quem ajudou primeiro teve os níveis de felicidade mais altos, isso mostrou que quem ajuda se sente muito mais feliz de que quem é ajudado.

E ajudar depende de quem? Dos outros ou de nós mesmos?

O que você acha de começar você mesmo uma "corrente do bem" no seu trabalho, família, comunidade, grupo de amigos?

Quando você der esse passo você passará a ver mais pessoas felizes, educadas e sua corrente crescendo, engajando e transformando vidas com pequenos atos de bondade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Fernando Guerreiro é formado em Educação Física, especializado em treinamento funcional e ultramaratonista. Também é head coach da We Move Brasil, equipe especializada em desenvolver um estilo de vida saudável e transformador.

Sobre o Blog

Dicas e mensagens motivacionais para os homens que desejam melhorar a cada dia seu estilo de vida através da atividade física. Um espaço para tirar dúvidas e também para encontrar a motivação que o levará a quebrar barreiras físicas e mentais.